Cantinho que encanta

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Vinícius Castelli

Região de Visconde de Mauá, no Rio, é cercada de águas e montanhas.

Imagine a sensação de se chegar em um lugar que parece estar absolutamente na contramão dos dias atuais, do estresse das grandes cidades, das buzinas dos carros e da vida desenfreada, com ruas e calçadas abarrotadas. Esse local existe e fica no Brasil. Diversos tons de verde ilustram todo o caminho, repleto de montanhas, que leva a um lugar que parece até ser parte de história de livro. É a região de Visconde de Mauá, no meio da Mata Atlântica, no Rio de Janeiro.

A estrada cheia de curvas que dá acesso ao local parte da Rodovia Nova Dutra, na saída para Penedo. De lá o visitante deverá percorrer até o destino 32 quilômetros de serra. Vale a pena ir sem pressa, pois ao longo do caminho há locais de parada para clicar fotos incríveis. No total, para quem parte de Santo André, são 321 quilômetros de distância.

E com o outono no pedaço, a região é boa pedida, com seu clima de montanha, chocolates e ares de  romantismo. Hortênsias e diversas outras flores tomam conta das ruas e das casas, que se juntam a bares e restaurantes elegantes e deliciosos. A região, na verdade, é formada por quatro vilas.

A primeira delas é Visconde de Mauá e pertence ao município de Resende. Em seguida está Maringá. Depois vem Maromba. E as duas são do município de Itatiaia. Todas elas ficam no Rio de Janeiro. Cruzando o lindo e poderoso Rio Negro, principal da região, está a outra vila de Maringá, mas já com outro sotaque, pois fica do lado mineiro e pertencente à cidade de Bocaina de Minas.

Visconde de Mauá dá boas-vindas ao visitante com a bela igreja de São Sebastião, cuja construção data de 1912. Em suas vias é fácil de se encontrar pousadas. Elas estão nas vias principais e também nas ruas escondidas, sempre ilustradas por muito sossego. Algumas das opções de acomodação estão, de fato, no meio das montanhas. Boa pedida para tomar um delicioso café da manhã, com queijos e geleias preparados no local. Por toda a região há diárias para casal a partir de R$ 150 até R$ 1.500.

Comida, aliás, é um dos destaques das vilas, ao lado da riqueza da natureza. Não deixe de provar os patês produzidos por lá. E há de tudo. Massas finas, arroz, feijão-tropeiro, linguiças artesanais, risotos e, é claro, pratos preparados com truta, peixe típico da região. Aos que querem economizar, há também comidas mais simples, como os famosos pratos feitos, tão comuns nas grandes cidades.

Além de conforto e muito romantismo, a região é opção não só aos casais, mas aos viajantes solitários e grupos em busca de desafios, já que o local oferece farto leque de opções de aventura. Há um destino que precisa ser visitado: a cachoeira do Escorrega, que fica em Maromba (Rio de Janeiro) e faz parte do Parque Nacional do Itatiaia. Dona de águas clarinhas, sua diversão é um tobogã natural de 30 metros de altura. Para quem tiver coragem, é só se divertir. Não tão distante de lá, outra opção é o Poção da Maromba. 

Abastecido pelo Rio Negro, o Poção de Sete Metros é diversão garantida. Fica no lado mineiro de Maromba e leva esse nome porque é possível pular nas águas cristalinas a partir de pedra com altura de sete metros. O espaço é da família Bühler, responsável por cuidar e manter limpo o local. Apesar de ser área privada, todos podem aproveitar. A cachoeira Santa Clara, com 50 metros de altura, fica no lado de Minas e também vale a visita. Isso sem contar o Parque Ecológico Cachoeiras do Santuário, com suas 20 quedas-d´água. Só vendo para crer tamanha beleza.

Para quem gosta mesmo de se aventurar, é possível contratar os serviços especializados das agências locais e curtir as várias opções de passeio. É possível fazer boia cross no rio da região e conhecer a pedra Selada, local que está dentro do Parque Estadual da Pedra Selada. São nada menos que 1.755 metros de altitude com vista inesquecível. Dá também para explorar o Parque Nacional do Itatiaia, criado em 1937 pelo então presidente Getúlio Vargas. Para quem tiver com umas horinhas sobrando, vale até dar uma parada em Penedo antes da volta para casa. Chocolate é a prata da casa.

 

 

 




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2019. Todos os direitos reservados