Pérola negra, Te amo, Te amo

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Miriam Gimenes

 Se melodia é sucessão harmoniosa de sons e silêncios, ontem ela ficou muda. É que partiu, aos 66 anos, um dos maiores expoentes da música popular brasileira, o cantor e compositor Luiz Carlos dos Santos, que a carregava não só nas veias – era filho do sambista Oswaldo Melodia – como no nome.

Ele estava internado no Hospital Quinta D’Or e sofria de câncer na medula óssea. Chegou a fazer transplante em maio, mas a doença não regrediu. O enterro será hoje, às 10h, no Cemitério do Catumbi, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Nascido no morro do Estácio, Melodia não tinha como fugir do ofício de cantor. Cresceu nas rodas com os músicos da escola de samba Estácio de Sá e ouvindo canções compostas pelo pai, que sonhava, na verdade, ver o filho se formar.

Criou, no entanto, estilo próprio, que misturava samba e suingue. Em 1972, teve uma de suas composições, Pérola Negra, gravada por Gal Costa. Virou sucesso. Segundo disse na TV, ao Fantástico, ele havia feito a música para uma menina que namorava quando serviu o Exército. “A mulher brasileira é fonte, posso dizer assim, de inspiração em 50% das minhas composições.”

Kleber Albuquerque, músico de Santo André, lembra que iniciou sua carreira imitando Luiz Melodia e Caetano Veloso. “Ouvia demais o primeiro disco (Pérola Negra, 1973). Ele foi um dos grandes mestres da nossa canção, trouxe para o samba influências que, na época (1970), eram novidade. A própria interpretação dele, com as improvisações que fazia na voz, era diferente.” Magrelinha, lembra, foi uma das primeiras músicas que aprendeu a tocar no violão.

Zezé Motta, sua companheiras de palco, lamentou sua morte pelas redes sociais. “Um dos dias mais tristes. Perdemos Luiz Melodia. O mundo fica sem Melodia. Coração estarrecido. Descanse em paz, meu irmão, meu amigo, meu parceiro, te amo. Para sempre no coração do Brasil”, escreveu. Ao longo da carreira, ele gravou 16 álbuns e realizou shows em todo o Brasil e no Exterior.

A última vez em que esteve na região foi no show de abril do ano passado, no Sesc Santo André, em comemoração aos 463 anos do município. Melodia deixa a mulher, Jane Reis, e o filho, o rapper Mahal Reis.

HOMENAGENS
Alguns canais terão programação especial hoje para exaltar o legado de Melodia. A TV Brasil traz, às 15h e às 18h45, reapresentação do programas Segue o Som e Samba na Gamboa. Já o Curta! exibe, às 21h30, episódio inédito da série Memórias do Brasil.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2018. Todos os direitos reservados