Representatividade na Flip 2017

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Karine Manchini<br>Especial para o Diário

 Para acabar com a espera e ansiedade dos amantes da literatura, foi divulgada na tarde de ontem a programação da 15ª edição da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty). O encontro de autores e escritores será realizado entre 26 e 30 de julho, em Paraty (RJ), e terá como homenageado o escritor Lima Barreto (1881 -1922), autor negro conhecido pelas questões sociais abordadas em suas obras.
Pela primeira vez a Flip terá um número superior de participantes mulheres ao de homens. Das 22 mesas, com 46 autores, 24 são mulheres. Além dessa mudança, os organizadores pensaram em abrir mais espaço para a representatividade negra, e nesta edição o programa terá 30% de autores negros.
Segundo a curadora desta edição, Josélia Aguiar, a intenção é que a participação de autores negros possa influenciar outros projetos literários no País e que, assim, surjam outros eventos com mais diversidade. “Conversei com bastante gente de diversas áreas, procurei grupos do movimento negro e havia uma expectativa que essa Flip tivesse um maior numero de representação de autores negros e também de mulheres, que é um movimento paralelo, mas que está acontecendo nestes últimos anos. São dois movimentos de ativismo que são necessários, e isso nos fez começar repensar sobre essa representação”, explica Josélia.
Na abertura do evento, o ator e escritor Lázaro Ramos contará sobre a trajetória de Lima Barreto em apresentação criada por Lilia Schwarcz. Entre os convidados estão o autor jamaicano Marlon James e o norte-americano Paul Beatty, vencedores do prêmio Man Booker Prize. Willian Finnegan, repórter que fez coberturas de conflitos na África e vencedor do Pulitzer, também marcará presença no evento.
Misturando arte com ciência, Carlos Nader, videoartista, diretor e documentarista, também estará no programa. “Esta edição traz nomes que poderiam ser mais conhecidos por aqui e surpreendentemente ainda não tinham sido traduzidos”, diz a curadora. Os ingressos custarão R$ 55 e serão vendidos a partir de 13 de junho.
MUDANÇAS
Além de uma maior visibilidade para as mulheres e aos negros, o evento terá mudanças em sua estrutura. A Flip deste ano acontecerá no entorno da Praça da Matriz de Paraty e o espaço principal será montado dentro da igreja Nossa Senhora dos Remédios, alterando também a capacidade de público, o que antes a tenda comportava 800 pessoas, agora o lugar terá espaço para 420 pessoas. Outra alteração foi na questão financeira, na edição passada o orçamento foi de R$ 6,8 milhões e neste ano, baixou para R$ 5,7 milhões.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2018. Todos os direitos reservados