Vida pela arte

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Karine Manchini<br>Do Diário do Grande ABC

 A famosa frase ‘a união faz a força’ faz sentido em muitas situações. E é seguindo esse lema que o Gambalaia Espaço de Artes e Convivência completa hoje, firme e forte, sete anos de estrada. Com a intenção de comemorar, o espaço ficará aberto para artistas da região e para o público a partir das 20h. A entrada é gratuita.
A ideia de ter um local que pudesse receber diversos músicos e artistas surgiu há dez anos, quando Humberto Alex Lima, proprietário do espaço, pensou no que poderia fazer após se aposentar. O Gambalaia nasceu em 2010 e trouxe a participação de um grupo de amigos que apostavam em projetos sem fins lucrativos.
O fundador teve de seguir a proposta sem expectativas de apoio público ou privado. Como não dependia financeiramente disso, decidiu levar adiante, e mesmo com dificuldades está seguindo até hoje. “O maior problema foi realmente a falta de público em alguns eventos, e até hoje isso acontece. Os artistas sabem das dificuldades, mas para eles o importante é mostrar seu trabalho, mesmo que para poucos”, explica. Segundo ele, o lugar foi projetado para esta finalidade. Outra coisa, de acordo com ele, é a falta de interesse da iniciativa privada em apoiar o espaço, “sendo que não precisamos de milhões”, diz Lima, que acredita que o patrocínio é bem-vindo para o desenvolvimento de projetos sociais e para a abertura de oportunidades para jovens artistas.
Segundo o idealizador do espaço, a motivação para continuar com o projeto é a paixão pelo local e pelos artistas que lá se apresentam, além de considerar os participantes muito talentosos. Ele acredita também que a falta de interesse do público se deve ao medo de arriscar a conhecer o novo. “As pessoas preferem pagar uma fortuna para ver seus ídolos uma vez por ano ou a cada quatro e não pagam R$ 10 para ver alguém que não conhecem”, explica.
O Gambalaia disponibiliza espaço para público variado, em que bandas e músicos independentes podem mostrar seu trabalho. Conta também com exposições de arte, além de ter apresentações teatrais, cursos, saraus, arrecadações solidárias para moradores de rua e animais abandonados. O espaço une também quem tem amor pela música e pela arte com a intenção de ajudar ao próximo. Ao longo dos sete anos de vida já foram realizados cerca de 840 eventos de diversos tipos.
O local geralmente cobra cerca de R$ 10 a R$ 20 para a maioria dos eventos, exceto para os beneficentes e para as aberturas de exposições, que são gratuitas. O valor recebido é entregue aos artistas e o local fica com 20% do arrecadado.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2018. Todos os direitos reservados