Paixão que vem de berço

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Vanessa Soares

Contar histórias é sem dúvida um dom que o escritor Claudio Feldman, 72 anos, tem desde muito cedo. Prova disso é que hoje, a partir das 10h, ele lança em São Caetano, na Academia Popular de Letras (Biblioteca Paul Harris), O Bilhete do Morto (Ed. Taturana, 69 páginas, R$ 25, em média), 54º livro de sua carreira. “Desde criança gostava muito de ler. Nasci em Bauru, no Interior no Estado. Lá não tem o tipo de diversão que tem aqui e uma das janelas para o mundo era ler. Acabei também quase que automaticamente escrevendo”, relembra ele.

Parte de uma trilogia que nasceu em 1980 com a publicação de Caim & Cia Ilimitada, a obra é a terceira publicação da série e contém 13 contos criminais, uma das paixões de Feldman. “Sempre gostei muito de ler obras policiais e sempre tentei escrever essas coisas porque você sempre quer colocar na obra aquilo que você gosta. Quando lancei Caim & Cia Ilimitada, um crítico me disse que precisava ser mais desenvolvido e alguns contos deste livro estão em nível de boas histórias policiais. Acho que são as melhores que já escrevi”, garante.

Entre os contos reunidos em O Bilhete do Morto, Feldman cita que seus prediletos são Meu Sequestro, O Guarda-Costas e o que dá título à obra.

Mas a paixão de Feldman por escrever não se resume a contos policiais. Muito pelo contrário. Seu primeiro livro, publicado em 1969, era de poesia. “Durante muito tempo me chamaram de poeta, mas depois enjoei e passei a escrever outras coisas”, conta. Desde então não parou mais. Entre suas publicações estão peças de teatro, histórias infantis, crônicas, poesias, contos, romances, e por aí vai.

Em 1944 ele se mudou para Santo André, aos 15 anos, quando começou a trabalhar com o pai como roteirista. “Fiz isso durante muitos anos, mas alternadamente escrevia meus livros”, diz.

PROGRAMAÇÃO
O lançamento de O Bilhete do Morto faz parte da programação do Sábado Literário da Biblioteca, que contará também com sarau de escritores. Além do livro de Feldman, o escritor Eduardo Raciunas também lança Um Pouco da História de Vilma Joana. A entrada é gratuita.

O Bilhete do Morto – Literatura – Academia Popular de Letras – Avenida Dr. Augusto de Toledo, 255 – São Caetano. Hoje, a partir das 10h. Entrada gratuita. 




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2018. Todos os direitos reservados