Passeio sob os trilhos

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Miriam Gimenes

A bela canção escrita por Ana Vilela, que virou hit nas redes sociais, diz: “A vida é trem-bala, parceiro, e a gente é só passageiro prestes a partir”. E que tal se a levarmos ao pé da letra – esquecendo o sentido metafórico da frase da cantora – e escolher como próximo passeio fazer viagem de trem pela Europa? Nem é preciso pegar o mais rápido para saber que ser passageiro tem inúmeras vantagens por lá. Além de ser opção mais rentável e confortável, oferece mais atrativos do que se imagina.

Para tirar a ‘prova dos nove’ basta comprar as passagens pela Rail Europe. A empresa é considerada líder em distribuição de bilhetes no Velho Continente. Segundo a diretora da Rail Europe na América do Sul, Maria Corinaldesi, o brasileiro, embora não tenha costume de andar de trens, quando vai pela segunda vez para lá geralmente procura este meio de transporte para desfrutar a viagem. E não se arrepende. “Porque é uma experiência ótima visualmente. No avião só se vê a cidade quando decola ou quando está chegando, depois são só nuvens. No trem dá para apreciar a paisagem a todo momento. Em três horas vai dos Alpes Suíços para o Mar Mediterrâneo, além, é claro, do conforto.”

No site em português (www.raileurope.com.br) é possível comprar daqui os trechos que estão mais de 250 mil quilômetros da malha ferroviária de lá. Uma viagem de ida de Paris, na França, para Genebra, na Suíça, custa a partir de 79 euros (cerca de R$ 260) na segunda classe e 100 euros (R$ 330, em média) na primeira, em um trajeto de quase três horas. De avião, sem escalas, o mesmo trajeto dura uma hora, mas custa de R$ 268 a R$ 1.326, variando conforme a companhia aérea.

Além das diferenças já citadas, a TGV Lyria, empresa com os trens de alta velocidade que conectam 30 cidades da França e da Suíça, disponibiliza veículos com interior luxuoso e itens que facilitam a vida dos viajantes. Os vagões de segunda classe, por exemplo, possuem tomadas para cada assento, fraldário e vagão-restaurante. Já os de primeira classe têm snacks, bebidas, maior espaço entre as poltronas, seleção de jornais e revistas de diversos idiomas, entre outras coisas. É ou não é tentador?

Empresas anunciam novidades

A Swiss Travel System, uma das parceiras da Rail Europe, anunciou como novidade para este ano o início das atividades do Gotthard Base Tunnel, o túnel ferroviário mais longo do mundo, que liga o país de Norte a Sul. A empresa, que tem até vagões específicos para crianças, também apresenta seu novo trem panorâmico, que liga Bellizona a Flüelen. O passe dá entrada gratuita em mais de 500 museus e conta com as opções para três, quatro, oito ou 15 dias. Mais informações no site www.mystsnet.com.

Já a união entre as empresas Renfe e SNCF, que tem trens de alta velocidade entre Espanha e França, a partir deste mês passará a operar a rota entre Toulouse e Barcelona com vagões que possuem o dobro de capacidade. A SNCF, por sua vez, colocou em operação o novo modelo TGV Oceàne, com rotas entre Paris, Bordeaux e Toulouse. Neles, as poltronas de primeira classe são capazes de girar 180 graus, para que o passageiro sempre viaje olhando para frente, e no vagão do restaurante as luminárias foram projetadas pela designe francesa Ionna Vautrin.

A Euroestar, empresa que opera um dos trajetos mais buscados pelos brasileiros – de Londres a Paris – anunciou o lançamento do modelo e320, que é mais moderno e confortável. Ele possibilitará viagens a novos lugares, como Amsterdã, na Holanda. Já na Eurail eram considerados estudantes, para obter desconto, pessoas com até 26 anos. A idade passou agora para 28.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados