Tudo termina em pornografia

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Marcela Munhoz

 Às vezes, um olhar penetrante, um beijo cheio de tesão, palavras desavergonhadas ditas no momento certo e até movimentos libidinosos ao devorar uma fruta podem ter efeito mais avassalador do que a própria nudez. Duvida? Vá assistir ao espetáculo Melancia, que entra em cartaz no Sesc Santo André a partir do dia 21.

Pelo menos, é o que parte do público diz ao viver a experiência da peça. “Quando estreamos (no fim do ano passado), não tínhamos ideia de como as pessoas iam receber o projeto. Além de dar risada, muitas comentam o quanto é dinâmico, visceral e sensual.Todos dizem que vão passar a ver a melancia de outra forma”, explica o diretor e ator Victor Mendes.

Melancia foi pensada por Mendes, formado em Rádio e TV pela Metodista de São Bernardo, ainda quando estava na USP, em 2009. “Eu e o grupo trabalhamos a ideia por meses e, quando nos formamos, resolvemos juntar as cenas”. A inspiração? O filme O Sabor da Melancia, do cineasta malaio Tsai Ming-Liang.

"É uma história não linear sobre quatro artistas que tentam, de todos os jeitos, emplacar algo. Até que decidem falar sobre a crise hídrica e substituem a água pela melancia. A partir disso, fazem relação com o cotidiano, incluindo a parte sexual, pornográfica”, diz o diretor.

E aí entra discussão mais profunda: a liquidez dos relacionamentos. “A sociedade está agindo de maneira mecânica, impessoal, virtual. Não estamos conseguindo nos aprofundar nos relacionamentos. É tudo muito pornográfico. Quando se chega ao orgasmo, apaga o que aconteceu e segue em frente”. Apesar da nudez não ser o foco, o espetáculo tem censura de 18 anos, especialmente por conta do uso da linguagem escancarada.

E por que raios a melancia virou a estrela da peça e não qualquer outra fruta? “É que ela tem algumas características interessantes. Além de ser composta por 90% de água surgiu, originalmente, no meio do deserto. Então, é um ponto fora da curva, simboliza algo não esperado, planejado”, argumenta Mendes, que divide o palco com os atores Ana Paula Lopez, Paulo Vinicius e Sol Faganello. A dramaturgia é assinada pela Cia Monstro, Carolina Bianchi e Vinicius Calderoni.

>Melancia – Peça. Sesc Santo André, Rua Tamarutaca, 302. Tel.: 4469-1200. Temporada de 21 de abril a 12 de maio, às sextas (21h), sábados (20h) e domingos (19h). Ingressos: R$ 6, R$ 10 e R$ 20 nas bilheterias do local ou pelo site www.sescsp.org.br/santoandre.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados