Qual o preço da fama?

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Miriam Gimenes

Vera Fischer é uma eterna fonte de inspiração. Não só para a música – suas madeixas loiras e demais características foram usadas por Tom Jobim para escrever Luisa, em 1981–, mas também para o teatro. É que a comédia Ela é o Cara!, em cartaz no fim de semana no Teatro Lauro Gomes, em São Bernardo, foi escrita especialmente para a atriz. O texto é de Márcio Araújo e Andrea Batituci.

Explica-se: Vera, durante muito tempo na peça, interpreta ela mesma. A trama conta a história de um terapeuta, o Gilberto Fonseca (Edson Fieschi) de caráter e competência duvidosos. “Ele acha que para alcançar sucesso na carreira precisa cuidar de gente famosa, só que só atende pseudo-celebridades que não o catapultam à condição tão almejada”, explica Vera ao Diário.

Um dos clientes, um funkeiro metido à filósofo, se mata e publica no jornal uma carta colocando a culpa no terapeuta. “É quando ele diz para sua assessora de imprensa que é capaz de fazer qualquer coisa para sair dessa enrascada, mesmo que tenha que vender sua alma ao diabo”, acrescenta. Eis que, então, surge Vera Fischer no seu consultório.

À princípio, adianta a atriz, Vera é ela mesma. “Mas no decorrer da consulta você (público) vai percebendo que tem algo errado. que eu não sou eu, Vera, mas sim o diabo, o qual ele se sujeitou a fazer um pacto.” O terapeuta, por sua vez, acredita que Vera tem um transtorno de personalidade. E aí se desenrola a história. “A peça é muito inteligente, com humor rápido e sagaz e, ao mesmo tempo, reflexiva. Divertida em toda sua confusão”, analisa a atriz.

E a partir dessas confusões, surgem as reflexões. “É um assunto que sempre questionamos na vida: até que ponto vale tudo para se atingir a fama? Esses 15 minutos de fama, tão preconizados nas últimas décadas, hoje em forma de likes, curtidas, seguidores, fazem algum sentido?”, questiona. Assista e tire suas próprias conclusões.

>  Ela é o Cara – Peça. Teatro Lauro Gomes (Rua Helena Jacquey, 171). Sábado às 21h e domingo às 19h. Ingressos: R$ 60 (R$ 30 meia-entrada) e estão à venda na bilheteria ou no site www.compreingressos.com. Informações: 2122-4070.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados