Eles, os gatos

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Marcela Munhoz

O famoso teatro musical infantil Saltimbancos narra as aventuras de quatro bichos que, sentindo-se explorados, fogem para a cidade. Entre eles está uma gata que canta: “Nós, gatos, já nascemos pobres/Porém, já nascemos livres/Senhor, senhora ou senhorio/Felino, não reconhecerás”. O famoso trecho é uma licença poética para a conhecida independência dos gatos. Quem convive com um, porém, sabe que isso está longe de significar que o bichano não ama seu dono. Muito pelo contrário.

“Ser independente é uma característica boa. É que o ser humano deixa seu superego falar mais alto, quer ser atendido na hora. Nós estamos acostumados com situações óbvias, mas quando algo age diferente, estranhamos. Os gatos, desde sempre, sofrem preconceito por isso. Brinco que, para mim, eles sentem como um italiano, mas se comportam com um lorde inglês”, acredita a veterinária Luciana Deschamps. Especialista em felinos, ela garante, inclusive, que os bichanos podem ser mais apegados aos donos do que se imagina. “É que eles não socializam muito, ficam mais em casa – algo que adoram – grudados nos moradores. Tanto que cachorro até consegue se adaptar a outro ambiente, o gato pode morrer de tão triste.”

Mais do que esse mito da ‘frieza’ dos gatos, tem a questão absurda, mitológica e ultrapassada de que trariam má sorte (especialmente os pretos). Muitos, inclusive, são abandonados por isso. Recentemente o distanciamento dos felinos ficou maior por conta da epidemia de esporotricose no Rio de Janeiro. Esporotricose é um tipo de fungo, cuja transmissão ocorre pelo contato com material orgânico contaminado. A doença pode ser passada para os seres humanos, mas nos animais tem risco de ser fatal se não tratada corretamente. Entre os sintomas, está a de uma ferida profunda, com pus e que não cicatriza. “O gato é o vilão? Não. O fungo está aí. Acontece que suas garras são muito mais finas do que a dos outros animais”, explica Luciana.

I LOVE CAT

Basta perguntar para um gateiro o que ele acha do seu pet que as respostas são imediatas. Pedi para alguns completarem a frase Ter gato é.... Confira o resultado:

É contar com um ­– ou mais – espírito protetor, afastando tudo de ruim. Ter gato é ter amor garantido em forma de bola de pelos (Camila da Fonseca)

É aprender a amar sem hierarquia, domínio e posse. É amor conquistado (Denis de Marchi)

É sentir o privilégio de descobrir o quanto são admiráveis, fiéis e afetuosos (Milena Magnoli)

É ter uma almofada com o coração batendo, que limpa a energia negativa (Luciana Deschamps)

É tornar um simples ato de arrumar a cama numa brincadeira de esconde-esconde muito divertida (Karina Godoy).

É contar sempre com uma companhia para a soneca. É ter um aliado da paz (Andréa Damiani).

É nunca mais sair de casa sem pelo na roupa e um sorriso no rosto (Karine Francisco).




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados