Dramas de família

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Marcela Munhoz

Era o ano de 1981 quando estreava nos cinemas On Golden Pond. Com roteiro escrito por Ernest Thompson, foi adaptado de peça de teatro de 1979 de mesmo nome. Além da história sobre drama familiar, ficou famoso por ser o único filme em que Henry Fonda e Jane Fonda, pai e filha na vida real, trabalharam juntos. Foi um acerto de contas para rusgas que acometiam o relacionamento dos dois fora das telonas.

O longa, que levou quatro estatuetas do Oscar, ganhou a versão para o teatro Num Lago Dourado, que estreia justamente em São Caetano amanhã, com sessões até domingo. No elenco, brilham nomes da dramaturgia brasileira como Ary Fontoura e Ana Lúcia Torre. “Estamos com o texto fresquinho, fresquinho”, comentou a atriz em conversa com o Diário, ontem, durante ensaio no Teatro Paulo Machado de Carvalho.

Os atores interpretam, respectivamente, Norman Thayer e Ethel Thayer, vividos em Hollywood por Henry Fonda e Katharine Hepburn. Ele é um professor aposentado que vai com a mulher passar férias às margens do paradisíaco Lago Dourado. Porém, são surpreendidos com a chegada da filha, do genro e do neto adolescente. Eles esperam que o casal cuide do garoto enquanto viajam, mas a relação da família sempre foi estremecida. Agora, terão de se resolver. “Basicamente a peça é sobre família e esse assunto é interessante. Não é incomum ter sempre alguma coisinha que não funciona ali”, comenta o ator. A colega de elenco – aliás, os dois já atuaram muito juntos – complementa: “Não tem época certa para falar sobre relação familiar, é atemporal”.

O amor na terceira idade também é bem explorado na montagem. Norman e Ethel são casados há quase 50 anos. “Mesmo vivendo as implicâncias normais de casal, jamais deixam alterar o amor que existe entre eles”, diz Ana Lúcia, 72 anos. Para Fontoura, 84, a forma com que seu personagem encara as coisas, acaba complicando demais algo que poderia ser muito simples. “Ele é um sujeito bom, mas sente dificuldade em externar suas emoções. Não consegue dizer eu te amo, abraçar. É um desafio para Norman.”

E os desafios movem a dupla de atores. Ambos concordam que ainda dá frio na barriga durante a estreia de alguma peça e que o teatro funciona para eles como combustível. “Por isso, estamos sempre alimentando a máquina, para que fique afinadinha”, finaliza o artista.

> Num Lago Dourado – Teatro. No Paulo Machado de Carvalho – Alameda Conde de Porto Alegre, 840. As apresentações acontecem amanhã e sábado, a partir das 21h, e no domingo, às 19h. Os ingressos custam R$ 40 e R$ 80. Vendas no local ou no www.bilheteriaexpress.com.br. Informações: 4232-1237.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados