Hoje o sinal analógico desaparecerá da sua TV. Você está pronto?

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Vanessa Soares e Vinícius Castelli

Hoje, a partir da 0h, o sinal analógico de televisão será desligado na região metropolitana de São Paulo. Ao todo, 39 cidades passarão pela mudança, incluindo os sete municípios da região. De agora em diante, a programação dos canais abertos será transmitida apenas pelo sinal digital, com imagem e som de cinema.

Em reunião realizada na manhã de ontem na sede da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), em Brasília, o Gired (Grupo de implantação da TV Digital) validou por unanimidade o desligamento do sinal na Capital.

De acordo com pesquisa apresentada pelo Ibope durante o encontro, 92% dos domicílios da região metropolitana já estão aptos a receber o sinal digital da TV aberta. A marca atende a determinação da portaria nº 378, de 22 de janeiro de 2016, para o desligamento do analógico. Dessa forma, a partir de agora, a faixa de 700 MHz, utilizadas até então para a transmissões de TV analógica na região, será destinada à rede 4G de telefonia móvel.

O processo de digitalização do sinal de televisão no Brasil teve início em abril de 2015. Para que todos tenham acesso, a Seja Digital (entidade responsável pelo processo de transição da digitalização do sinal de televisão no Brasil) está realizando a distribuição gratuita de kits com antena UHF, conversor e controle remoto para a população de baixa renda cadastrada em programas sociais vinculados ao governo federal.

No Grande ABC, 181 mil famílias têm direito, mas desse montante, apenas 58% dos kits já foram retirados. Em média, cada um custa em torno de R$ 81,49, mas o valor pode variar de acordo com modelo, fabricante e utilidades oferecidas. Para os beneficiários que ainda não retiraram, a entrega dos produtos acontecerá por mais 45 dias após o desligamento do sinal.

O material pode ser retirado nas agências dos Correios após agendamento prévio que deve ser realizado pelo telefone 147 (ligação gratuita) ou pelo site www.sejadigital.com.br/kit. Para saber se detém o direito, basta ter em mãos o CPF e o NIS (Número de Identificação Social), que corresponde ao programa social em que a pessoa está incluída. Estão contemplados beneficiários dos programas do governo federal como Bolsa Família, Pronatec, Minha Casa, Minha Vida, Carteira do Idoso, aposentadoria para pessoas de baixa renda, Telefone Popular, serviços assistenciais, Brasil Alfabetizado e Erradicação do Trabalho Infantil. Cada uma das sete cidades possui um ponto de retirada.

Para pessoas como o andreense Abner Henrique da Silva, 23 anos, morador do Parque Miami, a mudança será um problema. Sua TV não é digital, ele não tem o conversor e tampouco sabia que há um programa que dá o kit para pessoas nos programas já citados do governo federal. Desempregado, vive de bicos e ainda não conseguiu o dinheiro para comprar novo televisor ou o conversor digital. “Agora ficarei sem ver TV. É horrível, pois é minha diversão”, diz. “Meu objetivo agora é resolver isso”, explica ele, que gosta de assistir telejornais e filmes.

CANAIS POR ASSINATURA

Com o desligamento do sinal analógico, os canais abertos SBT, RedeTV! e Record TV devem sair da grade das operadoras de TV por assinatura NET, Claro, Embratel, Vivo, Oi e Sky. As empresas que comercializam planos de TV não entraram em acordo com as emissoras sobre remuneração dos serviços, o que já acontece com empresas como Globo e Band. Mas isso só para quem for assinante de alguma operadora. As três emissoras, juntas, montaram a A Simba Content, que tem como meta resolver o impasse. Vale lembrar que essas empresas nunca tiveram remuneração das empresas de assinatura pela suas grades.

O sinal das três emissoras segue livre e gratuito, agora no sinal digital, só para quem for usuário da TV aberta. Vice-presidente da RedeTV!, Marcelo de Carvalho gravou um vídeo – disponível no site da emissora – explicando o caso e garantindo os serviços gratuitos fora das empresas de TV paga. SBT e Record TV também, em seus sites, explicam o caso. As emissoras e operadoras por assinatura seguem conversando para tentar um acordo.

Segundo o advogado Jairo Guimarães. o consumidor que já tem assinatura e conta com esses canais, poderá reclamar. A primeira medida é notificar a operadora paga. Depois fazer reclamação junto à Anatel. “Tomadas essas providencias, cabe uma ação. A empresa terá que dar um desconto proporcional. Sem ressarcimento, cabe uma medida judicial”, garante o profissional, que lembra ainda que a TV é o principal divertimento das “pessoas menos abastadas”. 




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados