Ousadia é com ele mesmo

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Vinícius Castelli

Tudo nasceu a partir de um surto de inspiração. Um projeto corajoso, curioso, autoral e feito sem recurso algum. Músico e escritor, Vinícius Franco, de Ribeirão Pires, que quando não trabalha com infraestrutura de tecnologia da informação se dedica à arte, convida o ouvinte a passear com ele por dez de suas canções, todas reunidas em seu primeiro álbum batizado A Viagem. Independente, o disco está disponível para compra (R$ 15) ou download gratuito no site www.bimawe.blogspot.com.br.

O artista de 25 anos aposta em mistura de rock progressivo com elementos de blues, música medieval e clássica. O álbum foca mais em temas instrumentais, mas tem canções letradas também. E tudo foi feito por apenas duas mãos, as de Vinícius Franco. Em A Viagem ele toca guitarra, violão, contrabaixo, bateria, teclado, piano e gaita, além de citar alguns textos em algumas faixas.

Além disso, tudo foi feito, preparado e registrado em sua casa. “A experiência é difícil. Não é fácil tirar o melhor som do mundo sem equipamento adequado. É como extrair água das pedras. Mas eu decidi fazer dessa forma porque nunca almejei resultado profissional, eu só queria produzir”, explica ele, que não gastou um único centavo para fazer o trabalho. Ele idealizou todas as músicas e a estrutura do álbum em praticamente um dia. Nos 18 dias que sucederam, durante as férias do trabalho, ele gravou, mixou e cuidou da identidade visual do projeto.

A princípio, o propósito do álbum era de apenas servir como meio de escape “desse mundo louco” para o artista. Mas o projeto ganhou força e virou obra. A Viagem segue na contramão dos enlatados e não tem nada de popular. A ideia do artista, na verdade, não era agradar ninguém, mas sim expor tudo aquilo que sentia. E para conseguir seguir esse caminho da maneira mais natural possível, acabou fugindo dos padrões. “Minha formação musical sempre foi muito calcada na música experimental, então esse trabalho é um grande estudo”, afirma.

As influências são diversas, mas Pink Floyd, banda responsável por colocar Vinícius na vida musical, é sua principal fonte de inspiração na obra. Radiohead e Sigur Rós também estão na receita sonora. Vinícius Franco nunca estudou música. O que sabe aprendeu sozinho. Juntou tudo e começou a dar vida e cor às ideias. E engana-se quem pensa que, por ter sido feito por uma única pessoa, em casa, o trabalho não surpreenda, pois consegue.

Para o artista, a música instrumental sempre teve a difícil missão de extrair do ouvinte seus sentimentos mais puros, porém sem usar uma única palavra. Por isso, apenas três canções tem o uso da voz. As faixas representam, mesmo que de maneira peculiar, pequena parcela do cotidiano humano. “O álbum é uma imitação da vida. Fala sobre as pessoas, as relações e os sonhos”, explica.

Ele acredita que cada tema pode ser útil para mostrar as dores e felicidades que enfrentamos. “As músicas ganharam características multifacetadas. Um ouvinte pode achar determinada canção triste, enquanto para outro ela traz sentimentos bons. Tudo depende do momento pessoal de cada um.”




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados