Figura inspiradora

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Vinícius Castelli

Mostrar a força de uma voz feminina e explorar o universo de uma das mulheres mais representativas de todos os tempos. Este é o desafio da companhia Estelar de Teatro, que apresenta amanhã, às 16h, em Santo André, no CEU Marek (Rua Engenheiro Alfredo Heitzman Júnior), a peça Frida Kahlo – Calor e Frio. A entrada é gratuita. A obra, contemplada pelo ProAC (Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo), é fruto de dois anos de trabalho e recria a história da pintora mexicana Frida Kahlo (1907-1954) a partir de suas obras.

A ideia surgiu na Cidade do México, na casa onde viveu a mexicana, hoje Museu Casa Frida Kahlo. Após dois anos de muito trabalho e se deparando com portas fechadas, a companhia persistiu e conseguiu o Prêmio de Difusão e Circulação da USP, além do apoio do Iberescena (Fundo de Ajuda Para as Artes Cênicas Ibero-americanas), o que possibilitou mostrar a peça no México.

Viviane Dias, atriz e dramaturga da peça, conta que apresentar a obra na casa de Frida fez sentir “o poder da arte em diminuir distâncias de tempo e espaço, reunindo criadores que, mesmo sem se conhecer, se afinam. Nos sentíamos ligados a algo maior que nós”.

Com nove artistas, o espetáculo, com direção de Ismar Rachmann, apresenta Frida não só como mulher, mas como artista que viveu época em que o México influenciou muito todo um pensamento artístico do século 20. “Contamos a história de maneira fragmentada, rizomática, em que vida, obra e contexto artístico e simbólico se entrelaçam”, diz Viviane.

Com texto construído de forma poética, Frida Kahlo – Calor e Frio dialoga com música, dança, poesia e artes visuais, entre outras linguagens. Viviane ressalta a força criativa e de vida da mexicana, sua recusa aos moldes tradicionais e sua recriação ininterrupta de si mesma. “Quando falamos dela – a partir de uma valorização da voz feminina – buscamos contribuir com outros esforços de resistência ao silenciamento das mulheres ao longo da história”, explica.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados