Mas que beleza!

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Marcela Munhoz

Não há como falar de Cartagena e não relacioná-la a Gabriel García Márquez. O famoso escritor colombiano, Nobel da Literatura, pegou emprestado os charmosos cenários deste patrimônio histórico da Humanidade para inseri-los, por vezes discretamente, em obras como Cem Anos de Solidão e Amor nos Tempos de Cólera. Já bastaria esta informação para querer conhecer este paraíso na Terra assim que possível. Mas há muito mais a se encantar naquele lugar.

A brisa do mar (o das Caraíbas) e o pôr do sol dão um brilho especial às fachadas das casinhas históricas e coloridas. Fundada em 1533 por Pedro de Heredia, a Cidade Amuralhada conserva até hoje a arquitetura colonial de suas construções, além de possuir o conjunto de fortificações mais completo da América do Sul. Reserve, ao menos, quatro dias para desbravar bem o Centro, que conta com feirinhas, artesãos e artistas. Vá a pé, de bicicleta ou de carruagem, mas vá.

A Catedral, o Palácio da Inquisição, a Igreja de San Pedro Claver e sua praça, o Oceanário, o Convento Santa Cruz de La Popo, o Parque Bolívar e a Torre do Relógio valem a sua visita. A torre é um dos símbolos de Cartagena. O lugar foi a entrada principal da Cidade Amuralhada e tem uma construção que já chama a atenção de longe.

Para os viciados em açúcar, o Portal dos Doces é o paraíso. Os vendedores montam as suas barraquinhas e oferecem o que há de melhor, como cocadas e cubanitos (charutos de doce de leite), por exemplo. Ainda falando em comidinhas, boas opções para tirar a barriga da miséria são La Palleteria, Pasteleria Mila, Crepes y Waffles, Café del Reloj e Gelateria Paradiso. Já para as compras, o indicado é explorar o Las Bóvedas. No local é possível encontrar lojas de lembrancinhas e artesanato local.

Os que não dispensam um bom dia na praia devem pegar um barquinho e ir até as ilhas, que ficam a minutos da cidade. Playa Blanca, Isla Grande, La Boquilla e Manzanillo precisam estar no roteiro. Mais próximo do Centro ficam Bocagrande, Castillogrande e El Laguito.

San Andrés tem mar multicolorido

Antes mesmo do que os outros destinos da Colômbia, a ilha de San Andrés sempre esteve no roteiro dos brasileiros. É um lugar perto, mais barato do que outros que possuem o mar caribenho disponível e é tão linda quanto. Lá – e também nos arquipélagos de Providencia e Santa Catalina – a areia é branca e o mar possui diversos tons que vão desde azul e verde até o lilás. Sabiamente os colombianos chamam estas águas de mar das sete cores.

Os três lugares juntos reúnem mais de 40 pontos para mergulhar. West View e Cocoplum são obrigatórias para a prática de snorkel. De lá, pegue um barco e vá conhecer o Aquário, ilhota límpida e repleta de peixes, a Haynes Cay, o Cayo Bolívar e, principalmente, a Jonnny Cay. Considerada uma das principais praias da região, rende fotos inacreditáveis. Vale colocar no roteiro também a Caverna de Morgan (ou Cueva de Morgan). É museu que mostra um pouco da cultura e da história da ilha, além de possuir uma caverna onde dizem que o tal do Pirata Morgan escondeu tesouros.

Organize-se para planejar passeios fechados, que podem ser comprados aqui do Brasil ou dentro dos hotéis de lá. Dar a volta na ilha é algo a se fazer sem pensar. É possível completar a volta em um chiva (espécie de caminhão com banco para passageiros), carrinho de golfe ou moto. Alugue já na chegada para dar tempo de explorar bem toda a ilha.

Gosta de salsa e reggaeton? Se joga na Coco Loco, a balada mais famosas de San Andrés. O ideal é ficar hospedado nas redondezas da Peatonal. Nesta região é possível fazer muitas coisas andando mesmo, além da variada carta de opções de lojas e restaurantes. Mas fique atento: as lojas abrem em torno das 9h, fecham as 12h30 e reabrem às 15h, funcionando apenas até às 20h30, no máximo. Além disso, a maioria fecha aos domingos.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados