Bela por natureza

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Vinícius Castelli

 Um pedacinho do Brasil para lá de especial. Piscinas naturais, praias paradisíacas, sol, areias brancas, frevo, bom humor e muita comida. Se no século 18 Porto de Galinhas era sinônimo de tráfico de escravos, hoje a vila, situada no município de Ipojuca, que ocupa 18 quilômetros do litoral de Pernambuco, convida o turista para desfrutar de seus diversos atrativos naturais.

Representantes da Porto de Galinhas Convention & Visitors Bureau estiveram em Santo André para fortalecer os laços com agentes de viagem e dar detalhes do destino. Otaviano Maroja, presidente da organização, revela que Porto de Galinhas recebe, em média e por ano, 1 milhão de visitantes, sendo que 40% são do Estado de São Paulo e que o Grande ABC tem peso importante para o local.

Porto de Galinhas conta com uma vilinha charmosa, com restaurantes, bares, cafés, mercados e tudo o que o turista necessitar. É de lá, também, que partem os passeios de jangada para as piscinas naturais, com média de 45 minutos de duração, por R$ 25 por pessoa. Peixes das mais variadas cores estarão lá para ilustrar ainda mais a beleza do local.“O destaque são as piscinas (naturais)”, conta Maroja, que diz que a temperatura da água, durante todo o ano, é de 26°C, em média.

Outra opção de passeio de jangada é pelo Pontal de Maracaípe (R$ 25), com 40 minutos de duração. O visitante poderá ver de perto o encontro do Rio Maracaípe com o Oceano Atlântico. O local, por conta dos manguezais, é habitat natural de cavalos-marinhos.

Outra sugestão de passeio é a Praia Muro Alto, famosa pelos resorts e também pela barreira de corais, o que faz dela quase que uma enorme piscina natural. De lá partem passeios de buggy, cujo trajeto passa pelo Centro de Porto de Galinhas e segue até Maracaípe. O valor, por três horas de passeio, é R$ 240 para até quatro pessoas mo veículo. Segundo Maroja, a região de Porto de Galinhas conta com cerca de 15 hotéis, 200 pousadas e mais de 50 restaurantes. E tem para todos os bolsos. “Uma grande vantagem é que os hotéis são à beira-mar, pé na areia”, diz.

Peixes-boi, ostras, caranguejos, tartarugas e outros animais são preservados por projetos ambientais. Quem quiser visitar tem como opção a ONG Eco Associado, que cuida das tartarugas marinhas. Já o Projeto Hippocampus acolhe os cavalos-marinhos. Para quem quiser esticar, a capital pernambucana, Recife, está a 50 quilômetros de distância. É possível alugar carro ou ir de transporte público. A sempre colorida Olinda também pode ser visitada na mesma viagem.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados