Rock na tela!

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Marcela Munhoz

Quem não se interessa por boa história de bastidor está mentindo. No mundo da música, elas são instigantes e curiosas, ainda mais quando se trata de grandes bandas e cantores. Muitos ‘causos’ ficam tão famosos que viram lendas, tacando mais pimenta na trama, o que acaba eternizando a trajetória de muito artista por aí. Nem bem Haja Coração acabou (o último capítulo vai ao ar amanhã; isso mesmo, uma terça-feira) e a próxima da fila das 19h, na Rede Globo, já está dando o que falar, com o perdão do trocadilho, que cantar. Rock Story chega na quarta-feira com história para nenhum músico profissional botar defeito. “Minha expectativa é grande. É uma novela com muita música, algo que nunca fiz antes. Tem história de amor, conflitos. Todas as coisas permeáveis para uma trama das 19h, além de atores cantando ao vivo. Acho que o público vai gostar”, aposta o diretor artístico da obra, Dennis Carvalho.

É que o folhetim de Maria Helena Nascimento, com supervisão de Ricardo Linhares, mostra a vida de Gui Santiago, interpretado por Vladimir Brichta, roqueiro decadente que precisa lidar com o sucesso do cantor mais novo Léo Régis (Rafael Vitti). Santiago acusa o concorrente da nova geração de ter roubado uma de suas músicas. Além disso, Régis rouba a mulher do tiozão do rock, Diana (papel de Alinne Moraes). É quando ele conhece Julia Monteiro (Nathalia Dill), fugitiva da polícia. Ela tem uma irmão gêmea, Lorena. O roqueiro descobre que tem um filho no mundo, Zac (Nicolas Prattes). Ele também precisa conviver com as cutucadas maldosas de seu próprio empresário, Lázaro Vasconcelos (vivido pelo ator de Porta dos Fundos João Vicente de Castro).

O protagonista, que canta e toca violão, declara que aceitou o papel porque a trilha sonora sempre moveu sua própria história de vida. “Estamos ensaiando para fazer tudo ao vivo e para que a música sempre seja um elemento importante”, conta. O mesmo pensa Vitti, que tem público teen enorme na vida real. “Estou ansioso, com certeza, mas com a sensação de que estamos todos trabalhando para concretizarmos um lindo projeto. A nossa energia dos bastidores é contagiante e vai refletir na novela”, garante

NÃO ACABA POR AÍ
E quem pensa que Rock Story vai focar só no aspecto musical está enganado. Tem personagem com dramas particulares profundos. Um deles será vivido pelo ator Danilo Mesquita. Nicolau tem câncer, mas resolve se isolar, inclusive dos pais, para fazer tratamento. Ainda fazem parte do elenco nomes como Herson Capri, Ana Beatriz Nogueira, Viviane Araújo, Paulo Betti, Suzy Rêgo, Júlia Rabello e Rocco Pitanga. Agora resta aumentar o som e ver se de tanto barulho vai ser boa história mesmo.

Não é a primeira vez que bandas conduzem as tramas de folhetins
Na onda de Rock Story, basta dar um Google mental para lembrar de outras novelas que apostaram na pegada musical. Para falar apenas de grupos musicais – neste caso, não se encaixa a histórica Dancing Days(1978) –, não tem como não citar Vamp (1991), que tinha roqueira como protagonista. Claudia Ohana era Natasha, cujas canções Sympathy For the Devil e Quero Que Vá Tudo Pro Inferno eram interpretadas pela própri.

Anos depois, em 2004, surgiu a Vagabanda, criada para a 11ª temporada da Malhação. Formado por Gustavo, Natasha e Catraca, o grupinho de pop rock fez sucesso com faixas exclusivas como Por Mais Que Eu Tente e Reflexo do Amor. A atriz Marjorie Estiano, aliás, gravou CD logo após acabar seu trabalho no folhetim adolescente.

No ar em Vale a Pena Ver de Novo, o trio de empreguetes formado por Maria Aparecida, Maria do Rosário e Maria da Penha também está reavivando na lembrança do telespectador hits que fizeram da Cheias de Charme campeã de audiência para o horário, em 2012. O clipe de Vida de Empreguete, cantada pelas próprias atrizes Leandra Leal, Taís Araújo e Isabelle Drummond, repercutiu fora das telinhas, assim como a canção Nosso Brilho.

PELOS LADOS DO SILVIO
No SBT, não dá para passar batido o sucesso que o grupo RBD teve no início dos anos 2000. Originário da novela mexicana Rebelde, o quinteto – Anahí, Dulce María, Maite Perroni, Alfonso Herrera, Christian Chávez e Christopher Uckermann – visitou mais de 20 países em turnê, atingiu a marca de 66 milhões de discos vendidos (17 milhões só digital) e 4 milhões de DVDs. Eles chegaram a receber duas indicações ao Grammy Latino e ganharam diversos prêmios, como Billboard Music Awards. Agora, a versão brasileira de Cúmplices de um Resgate, com Larissa Manoela e João Guilherme à frente, segue o mesmo esquema, trazendo a C1R para os topos das paradas da vida real.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados