Atenção aos acordes

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Marcela Munhoz

Paulo Corrêa de Araujo aprendeu violão aos 13 anos, com a ajuda de Oswaldo, seu irmão mais velho. Desde então, o instrumento tem feito parte da carreira de Paulinho Moska e, agora, recebe holofote especial. Em Violoz, atração de hoje e amanhã no Sesc Santo André, o cantor e compositor valoriza seus bens mais preciosos. “É mais do que um show intimista. Foi concebido como um espetáculo teatral. É tudo muito sutil e delicado, como deve ser a poesia”, conta ao Diário.

E o violão nesta turnê aparece em variados tipos. Durante a apresentação, o artista toca violão com cordas de náilon, violão barítono (afinado na nota Si), violão guitarra e ukelelê. “Nos últimos anos andei comprando instrumentos ‘diferentes’, que trouxe para o palco. O Violoz é como um livro, em que cada instrumento funciona como um capítulo e cada canção, um personagem.” O tema? “O amor pela vida”, como faz questão de dizer. No repertório, estão inclusos os principais sucessos da trajetória de 20 anos de carreira de Moska. Não faltam no setlist faixas como Pensando em Você, A Seta e o Alvo, A Idade do Céu, Lágrimas de Diamantes, Último dia, Namora Comigo, Somente Nela e Sem Dizer Adeus. “Decidi apresentar cada instrumento como se fosse um grande amor da minha vida. No show, conto cinco histórias de amor.”

Ainda sobre amor, Moska acredita que consegue alcançar público diverso com o assunto. “O amor acaba atingindo todo tipo de coração e tenho me dedicado a ele há muitos anos. Na verdade, gastei toda minha juventude escrevendo sobre o amor, mas não me canso nem enjoo. Está sempre se revelando de forma distinta para mim. Isso é porque eu o persigo e ele faz isso com quem o persegue”, diz o artista, que faz questão de estar antenado com as novidades do mercado musical. “No meu programa de TV, Zoombido, já recebi mais de 270 cantores brasileiros e latinos. Muitos foram artistas jovens e alguns deles estavam no primeiro disco. Chega muita coisa pela rede e amigos vão apresentando. Tem muita gente boa por aí.”

Conhecido também pelos hits Uma Barata Chamada Kafka e Adelaide – na época em que ainda fazia parte da banda Inimigos do Rei –, Paulinho Moska está se preparando para sair em turnê pelo Exterior. “Em menos de 15 dias embarco para aventura pela América Latina. Vou visitar 12 países filmando nova série de TV chamada Tu Casa es Mi Casa. Vou encontrar cientistas, desenhistas e músicos para conversar sobre a criatividade latina. Serão 80 dias de viagem, vou compor 12 canções e farei 12 tatuagens, uma em cada lugar”, finaliza.

>Violoz com Paulinho Moska – Show. Hoje (21h) e amanhã (20h), no Sesc Santo André – Rua Tamarutaca, 302. Ingressos: R$ 9, R$ 15 ou R$ 30. Estão à venda na bilheteria do Sesc ou no site www.sescsp.org.br.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados