‘Qualquer Gato Vira-Lata’ completa 18 anos

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Miriam Gimenes

 Ele atingiu a maioridade só este ano, mas sempre foi maduro e atual. O espetáculo Qualquer Gato Vira-Lata Tem Uma Vida Sexual Mais Sadia Que a Nossa, escrito por Juca Oliveira, sucesso que que roda o País desde 1998 e até virou filme, entra em cartaz amanhã no Teatro Gazeta, em São Paulo. A direção é de Rafaela Amado e direção geral de Bibi Ferreira.

O espetáculo retrata a vida de três jovens que vivem as dificuldades de uma experiência amorosa. Depois de estudar o tema, o autor procura as respostas de suas dúvidas na psicologia evolucionista, baseando-se na teoria de Darwin. Decepcionada, após romper com seu quase namorado, Marcelo (Emiliano D’Avila), Tati (Monique Alfradique) se refugia no auditório da faculdade para chorar, sem se dar conta de que está no meio de uma palestra do professor de Biologia Conrado (Marcos Nauer) sobre o evolucionismo de Darwin.

Para o espanto da moça, o jovem cientista elucida o porquê das desventuras amorosas das pessoas e afirma que as leis da natureza estão sendo infringidas. Extasiada com a revelação, Tati convence o professor de que ela é sua tese e recorre a sua ajuda na reconquista de Marcelo. Relutante a princípio, Conrado aceita a proposta e passa a analisar os erros que ela comete e sugere soluções.

A ideia desta comédia surgiu das observações do comportamento afetivo dos jovens, que hoje em dia vivem relacionamentos cheios de conflitos e desencontros. Segundo Juca de Oliveira, “as mulheres deixaram de ser a caça para se tornarem caçadoras” e este fato seria a causa principal das desilusões femininas.

Monique – que acaba de gravar sua primeira minissérie como protagonista para TV, A Secretária do Presidente, do Multishow, com estreia prevista para segunda semana de novembro – garante que a trama da montagem é diferente da exibida nas telonas. “O roteiro adaptado para o cinema tem vários pontos diferentes do texto do espetáculo, inclusive o final da história. O filme é mais comédia romântica e com cenas mais dramáticas. O humor é um ponto fortíssimo na nossa montagem. A minha Tati é uma menina impulsiva, irônica e divertida.”

Com humor e originalidade, a peça funciona como um guia prático para os relacionamentos indicado não só para os jovens, mas também para os adultos. “Não existe relacionamento perfeito, mas acredito que a base dele é respeito, lealdade e admiração”, finaliza a atriz.

Qualquer Gato Vira-Lata Tem Uma Vida Sexual Mais Sadia Que a Nossa – Peça. Teatro Gazeta (Avenida Paulista, 900). Estreia: 14 de outubro, sexta-feira, 20h (mesmo horário dos domingos). Aos sábados a apresentação será 22h. Ingressos: sextas e domingos R$70 (inteira) e sábado R$ 80 (inteira). À venda nos sites www.compreingressos.com e www.ingressorapido.com.br ou pelo telefone 2122-4001.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados