Operário da arte

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Vinícius Castelli

Oswaldo Montenegro não para. Ele diz que “mora na estrada”. Comemora seis décadas de vida e quatro no universo artístico. E se depender dele, haverá muito mais por vir. O cantor, compositor, violonista e cineasta, dono de um público cativo no Grande ABC, se apresenta em São Bernardo em jornada dupla. Fará dois shows no sábado, no palco do Teatro Lauro Gomes, um às 20h, com ingressos esgotados, e outro a partir das 22h.

O espetáculo que traz para a região é o Canção Nua, que promove olhar intimista da obra do artista. No palco, ele é munido por viola de 12 cordas, viola de seis e um piano, além de um repertório escolhido a dedo, ilustrado por canções como A Lista, Lua e Flor, Bandolins, Metade e Estrelas, entre outras tantas.

O artista conta ao Diário que nesse formato, mais próximo das pessoas, a interação com o público é absoluta. “No show solo, a ausência da banda me permite atender aos pedidos, ir até a plateia, bater papo com o público, que se torna praticamente coautor do roteiro”, explica ele.

E quem quiser arriscar pedir alguma canção para Oswaldo, o espaço está aberto. Ele conta que já teve vezes em que alguém sugeriu uma música e teve de lembrar o artista da letra. O resultado: cantaram juntos.

Para ele, esse tipo de evento que tem feito o tornou mais consciente da honra que é fazer parte da vida de alguém. “Algumas pessoas, ao pedirem a música ou ao fazerem uma pergunta, deixam claro que aquela canção é trilha da vida delas, lhes fez companhia em algum momento. É uma grande honra saber disso”, explica. <EM>

Entre as mais pedidas estão Léo e Bia, Lua e Flor e Intuição. “Mas o que me espanta é que a internet mudou esse tipo de coisa. A plateia passou a ‘exigir’ músicas que só conhece nas novas mídias, como, por exemplo, Metade ou ainda A Lógica da Criação e Sim, que são trilhas dos nossos filmes. É um novo tempo muito legal.”

E por falar em filme, Oswaldo divulga também seu terceiro longa-metragem, O Perfume da Memória, em que assina como diretor e autor. Disponível para visualização gratuita em seu canal no YouTube (www.youtube.com/oswaldomontenegro), a obra, produzida de forma independente, narra a história de amor de duas mulheres, Ana e Laura, e mostra que, para cada escolha, há uma renúncia.

Em tempos em que o ódio se propaga nas redes sociais, e até mesmo nas ruas, principalmente por conta de diferenças políticas e de escolhas sexuais, Oswaldo acredita que esse filme serve bem para tentar quebrar preconceitos. “É inacreditável que no terceiro milênio ainda existam alguns preconceitos. O filme não é panfletário em relação a isso. Trata a possibilidade do amor entre duas mulheres como uma coisa de aceitação óbvia. Na verdade, o tema do filme é o amor entre duas pessoas que pensam a vida de forma diferente. Serem duas mulheres é apenas um detalhe.”

Para Oswaldo, fazer cinema é, acima de tudo, trabalhar em equipe. “De todas as artes, a sétima é a que mais depende da colaboração coletiva. E nisso tenho sido muito feliz, trabalhando com equipes maravilhosas.”

Oswaldo Montenegro – Show. No Teatro Lauro Gomes – Rua Helena Jacquey, 171. São Bernardo. Sábado, às 20h e às 22h. Ingr.: R$ 60 e R$ 120 (www.compreingressos.com, www.bilheteriaexpress.com.br e www.aloingressos.com.br). Não há entradas para o show das 20h. 




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados