Rotina médica na TV

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Marcela Munhoz

 Muitas já foram as séries sobre plantões médicos que integraram a grade da televisão internacional e, com menos frequência, também na nacional. Mas, a partir das 22h de hoje, o telespectador vai acompanhar o que acontece no dia a dia de uma UBS de São Paulo. Claro que Unidade Básica é ficção, mas as histórias retratadas na série, cuja primeira temporada conta com oito capítulos, são baseadas em fatos reais e seus personagens podem ser comparados a muitos profissionais por aí. Não à toa. Para compor os médicos de mentirinha, o elenco fez laboratório em UBS e contou com todo o apoio e preparação de equipe formada por médicos de verdade.

A trama, produzida pela Gullane e dirigida por Carlos Cortez e Caroline Fioratti, tem Caco Ciocler no papel do Dr. Paulo – com a personalidade um tanto quanto semelhante à do Dr.House – que trabalha há dez anos no mesmo lugar e, experiente, vai além das consultas de rotina de uma unidade de Saúde. Ele chega aos diagnósticos de forma fora do comum e realmente enxerga os pacientes e todas as questões que envolvem a comunidade retratada ali. Uma das falas de seu personagem exemplifica isso: “A gente acha que tem que aprender tudo sobre as doenças, mas esquece de aprender um pouco mais sobre as pessoas.” Já a atriz Anna Petta interpreta a Drª Laura, Recém-formada, ela planeja usar o trabalho na UBS como trampolim na carreira e age da forma mais impessoal possível. Os dois terão de aprender a conviver juntos.

A atriz Carlota Joaquina, que interpreta a enfermeira e gerente da UBS, disse ao Diário que é impressionante o vínculo que a população cria quando o médico é atencioso como o Dr. Paulo ou como a enfermeira Beth, seu papel na trama. “Acompanhei a enfermeira Glória e vi a rotina louca dela. É por causa de profissionais assim que as unidades básicas funcionam. Eles se dedicam demais, são heróis”, conta. Para Carlota, o público vai gostar porque verá algo diferente. “Na nossa série não tem vilão. A não ser a carência da Saúde pública”, conclui.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados