Viagem ao passado

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Vinícius Castelli

 Um mundo à parte que até parece estar fora da realidade. Ruas de pedra, construções históricas, carros antigos, lamparinas nas esquinas, calmaria típico de Interior, romantismo e charme se espalham pelo lugar. Pisar na pequena Colônia do Sacramento, no Uruguai, é como, num piscar de olhos, voltar no tempo algumas centenas de anos.

Situada às margens do Rio da Prata, que também banha a capital argentina Buenos Aires, Colônia foi declarada Patrimônio Histórico da Humanidade em 1995 pela Unesco e reserva aos olhos diversas atrações, como a Basílica do Santíssimo Sacramento, a mais antiga do país. A maior parte das atrações e o burburinho se encontram no bairro histórico.

Andar por Colônia é uma aventura a ser vivida sem pressa, mesmo porque, a cidade pode ser visitada em um dia apenas. Outro local que merece ser visto é a bucólica Calle de Los Suspiros (Rua dos Suspiros). Conta-se que, na época da escravidão, era o último lugar por onde os escravos passavam antes de serem mortos. Nas ruas, se perca sem medo. Flores estão por toda parte, ilustrando casarões antigos a cada esquina.

A cidade é boa pedida para quem está em Buenos Aires e quer aproveitar para esticar até o país vizinho. A viagem pode ser feita ida e volta no mesmo dia via ferryboat (www.buquebus.com). Caso a vontade seja relaxar e esquecer da vida, um fim de semana está de bom tamanho. Além da capital portenha, quem estiver em Montevidéu consegue acessar Colônia facilmente de carro ou ônibus.

Fundada em 1680 pelo português Manoel Lobo, a bela cidade uruguaia oferece pousadas diversas e muitos restaurantes charmosos. Peixes e, é claro, a carne vermelha, tradicional no país, são boas opções. Se gostar, vale a pena provar o queijo feito pelos uruguaios, assim como seu vinho.

Brasileiros não necessitam visto de entrada e a moeda que vale lá é o peso uruguaio. Hoje, um peso custa R$ 0,13, em média. Boa dica é fazer a visita na primavera ou no verão e aproveitar o calor e o clima do Rio da Prata. Não deixe de ver o porto de iates, ilustrado por diversas embarcações. Os uruguaios são hospitaleiros e gentis. Não se sinta embaraçado ao arriscar um ‘portunhol’, caso seja necessário. Eles tentarão ajudar como puderem.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados